AnuncioTopo

Restaurante O Burgo (Lousã, Portugal)

Cozinha familiar num restaurante de topo! Perdido na serra, felizes os que o encontram!


Desde criança que sonhava voltar à Serra da Lousã, depois de lá ter passado, em tenra idade, somente uma vez num dia de nevoeiro em que por vezes estávamos acima das nuvens. Em 2010, cumpri esse desejo e fiquei com mais motivos para sonhar e para voltar, porque para além da bela paisagem e da fauna selvagem que se encontra na serra (especialmente os veados) também existe boa gastronomia e um dos melhores restaurantes que conheci até hoje!

Localização & Acesso (8/10)

A localização é idílica! Saindo da Lousã, basta seguir as placas para o Castelo que está fora dos limites da vila. Longe das povoações, mas mesmo junto ao pitoresco Castelo da Lousã, esta antiga azenha é porta de entrada para a Ermida do Santuário de Nossa Senhora da Piedade (visita obrigatória), tem ainda uma frondosa vegetação circundante e o pequeno rio Arouce, que junto ao restaurante forma pequenas cascatas, complementando o passeio de uma forma extraordinária. Claro está que esta localização também tem os seus contras, sendo o principal a obrigação de trazer o seu próprio transporte, mas também o número limitadíssimo de lugares disponíveis em frente ao restaurante de onde é complicado sair devido ás minuciosas (por vezes impossíveis) manobras de inversão de marcha. Ainda assim, pode deixar o carro nos parques de merendas junto ao castelo e caminhar apenas uns 200 metros, que perante tal paisagem até se fazem bem.

Conforto, Decoração & Ambiente (8/10)

Tem 2 espaços distintos. Ao entrar, visualizamos a zona mais interior, onde está a maior parte dos lugares e onde a decoração é mais típica com algum artesanato e divulgação do reconhecimento do restaurante através de prémios e notícias emolduradas, que se torna um pouco carregada com tantos pormenores. Ao fundo, existe uma pequena varanda envidraçada, mas fechada, que nos permite estar em contacto com a paisagem envolvente. Ambos os espaços são confortáveis e com um ambiente descontraído, mas o meu prazer em observar a paisagem encaminhou-me logo para a pequena varanda suspensa que é mais recomendada para grupos devido ás suas grandes mesas redondas, mas como o restaurante estava quase vazio não resisti a ir para lá.



Atendimento & Serviço (8/10) 

Um restaurante vazio dá sempre uma sensação errada da qualidade do serviço, porque temos atenção redobrada dos funcionários, por isso, só quando começaram a chegar mais clientes é que começámos a perceber que estar na varanda levanta sempre o problema de uma maior distância para o centro nevrálgico das operações: a cozinha! Fomos muito bem atendidos e gostei particularmente do cuidado em utilizar os recipientes típicos da região, contribuindo para uma experiência ainda mais tradicional.

Ementa & Apresentação (8/10)

Não é propriamente uma ementa recheada de opções, a comida é feita na hora e com um estilo caseiro, portanto é uma ementa curta e com o defeito de ser mais apropriada para adultos, porque os ingredientes são pouco comuns, havendo certamente muitos deles que as crianças nunca experimentaram. No entanto, o engraçado é que quando a comida chega á mesa também surpreende visualmente os mais novos pelo cuidado e carinho colocado na apresentação. As entradas chegam em forma de pacote... um tabuleiro com as iguarias com preço fixo que até podem ser suficientes para os estômagos menos ávidos. Há Peixinhos da Horta, Taliscas, Saladas de Polvo, Migas, Sonhos de Bacalhau e Enchidos da Aldeia variados. Mas independentemente da qualidade das entradas, não pode mesmo perder os pratos principais onde despontam o Cozido à Burgo (apresentado dentro de um pão de onde se retirou o miolo), a Carne de Porco na Cataplana, a Chanfana à Moda da Serra e também alguns peixes como Pataniscas com Arroz de Feijão, Cataplana de Tamboril ou Bacalhau com Migas. As sobremesas não fogem ao nível elevado dos produtos regionais onde há Requeijão com Doce de Abóbora, Tigelada Lousanense, Pudim de Mel com Castanhas e outras mais tradicionais. Tem um conceito muito interessante para grupos chamado "Rapsódia" e que consiste num conjunto de 6 entradas, 6 pratos e 6 sobremesas para rodarem pelos comensais a um preço bem interessante. Outra curiosidade é uma sobremesa chamada Pijama, que consiste numa mistura de várias sobremesas.




Qualidade da Refeição (10/10)

É a minha primeira nota máxima em Qualidade de Refeição, porque foi uma experiência gastronómica do outro mundo. A conversa habitual foi rapidamente interrompida pelas interjeições de prazer ("hmm", "uau", "que delicia", etc...). Parece que estamos a comer em casa com uma cozinheira contratada. Permitimos que viesse um tabuleiro de entradas que quase seria suficiente como refeição... os Peixinhos da Horta cozinhados na perfeição, os enchidos fantásticos, as Migas e a Salada de Polvo como nunca as tinha provado. Os pratos principais ultrapassaram todas as expetativas com o Veado com Tortulhos a agradar até aos mais relutantes e o Javali com Castanhas a conseguir surpreender o mais experiente e viajado. Como heróis, ainda fomos ás sobremesas para provar o simples Requeijão com Mel e Nozes e o mais complexo Pudim de Mel com castanhas... ambos gostosos.

Preço Vs Qualidade (9/10)

Estive muito tempo a ponderar se devia dar também nota máxima neste critério, mas para não banalizar a nota 10 decidi penalizar o facto de a ementa possivelmente não conseguir agradar a todos os gostos por ser tremendamente regional. No entanto, o preço é mais que adequado para a qualidade dos ingredientes frescos que estamos a consumir e até podemos fazer alguns pequenos truques para reduzir ainda mais a conta como poderão ver nas dicas.
Preço Base (Prato+Bebida): De 10€ a 15€
Preço Base + Sobremesa: De 15€ a 20€
Preço de Menu Completo: De 25€ a 30€

Conselhos & Dicas

- Se prefere um espaço mais romântico e privado, escolha a sala interior. Se gosta de paisagem não pode perder a varanda.
- Pode reduzir o custo da refeição apostando forte nas entradas que chegam num tabuleiro com custo fixo por pessoa.
- Reserve mais umas 2 horas para além da refeição de forma a usufruir de toda a envolvência do restaurante (rio, cascata, ermida, castelo, vegetação e silêncio).
- Para evitar irritações com manobras e estacionamento, o melhor é deixar o carro no parque de merendas junto ao Castelo, embora muitos não gostem dessa opção por deixarem o carro muito isolado.
- Para grupos, pondere a proposta de "Rapsódia" um conceito que permite provar 6 entradas, 6 pratos e 6 sobremesas a um preço fixo e justo.

10 comentários:

  1. Boa Noite, Pedro
    Me pareceu mais rústico e talvez por isso me deu a impressão de ser mais aconchegante.
    Deve ser, um lugar muito bonito e calmo.
    Obrigada por compartilhar.
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lúcia,

      É daqueles lugares em que não só se come bem, como se consegue desfrutar da paisagem e da tranquilidade que o rodeia. Aconselho vivamente!

      Obrigado pela sua visita, seja sempre bem-vinda!

      Eliminar
  2. Pedro, os teus artigos são um delírio. Vá-se lá saber porquê dão-me vontade de viajar! :)

    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lia, qualquer motivo que seja agradável... é bom para viajar! :)

      Melhor ainda é passar da vontade á ação!

      Obrigado pelo comentário, serás sempre bem-vinda a este cantinho.

      Eliminar
  3. Olha muito bonito esse restaurante gostei da postagem ha me visite mais vezes seus comentarios são sempre bem vindos em um dos meus blogs

    http://juniorcis.blogspot.com
    http://junior-juniorcis.blogspot.com

    grato

    junior

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela mensagem Junior!

      Visitarei certamente o seu blog também.

      Seja sempre bem-vindo!

      Eliminar
  4. Bom dia Pedro, tomar conhecimento
    de tantas delicias a uma hora dessas
    abriu-me o apetite e olha que isso é
    raridade (risos)

    Pelo prazer na tua descritiva imagino
    claramente que essa foi uma das tuas viagens
    mais prazeirosas, mas também não tinha como
    ser ao contrário, pois além das estradas
    portuguesas serem um luxo, a paisagem
    não deixa de menos,para todo lugar
    que olhamos,é beleza para tudo que é
    lado,se bem que tem alguns sitios que
    da-nos a impressão que supera e acredito
    que o percurso até Lousã foi especial.

    As fotos estão magistrais, principalmente
    as segunda da sala em que tem aquela
    simpatica mesa com uma guarnição
    encarnada e as dos pratos, é de encher
    os olhos!

    Também aprecio ficar mais próxima da natureza
    quando viajamos assim, o som e as cores nessa altura
    do ano devem ser maravilhosos.

    Agora falando dos pratos,meu Nando é
    perdido por pataniscas com arroz de feijão
    sempre tenho que segura-lo para não sair
    da dieta, e eu a segurar-me com o pão e
    as sobremesas,sou meio chegada aos
    pães das aldeias, tem um sabor todo especial.

    Os valores até que estão de facto razoaveis
    pelo generosidade dos pratos.

    Só fiquei na dúvida a respeito da distância
    do Parque das merendas para o Burgo,é
    pertinho e fácil de ir caminhando?

    Irei apntar mais essa para nossaos
    futuros passeios.

    Agora uma perguntinha meio fora do tema:

    Na Serra Da Estrela, o mês de junho é
    uma boa altura para passar uns dias por lá?

    Bem é isto Caro amigo,vou encerrando por
    aqui,antes que escreva-te um "jornal" como
    diz meu Nando a respeito dos meus comentários.

    Meu abraço e mais uma vez desejo-te um lindo
    dia ao é da tua família,grata por essa partilha
    maravilhosa e especialmente por tua gentil
    presença no Ballet.

    Até breve.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia Ronilda e muito obrigado pelo seu comentário.

      Penso que a região da Serra da Lousã não é devidamente valorizada pelos portugueses, mas é um destino de férias fantástico. Tem rios, montanha, aldeias históricas preservadas, gastronomia de qualidade, castelos, paisagens deslumbrantes e muita tranquilidade.

      Respondendo á pergunta sobre a distância entre o parque de merendas e o restaurante, são cerca de 200 metros e faz-se bem sem atravessar estradas nem obstáculos... é tudo pacifico.

      Quanto á Serra da Estrela, qualquer altura do ano é boa para visitar. Junho é excelente, porque as temperaturas são amenas e ainda se conseguem ver as consequências dos invernos nas lagoas, cascatas e vegetação.

      Realmente, os seus comentários alongados quase serviam para criar um novo blog (eheh), mas sabe bem recebê-los!

      Muito obrigado pelo seu comentário, já sabe que é sempre bem-vinda!

      Bjs.

      Eliminar
    2. Quando a Roni começa a escrever é de fugir - é cada guardanapo estendido que não tem fim- Tirando isto, ela é uma brasileira mais portuguesa que muitos de nós. Gosta de apreciar tudo o que diz respeito ao nosso país incluindo a gastronomia. Esta última por inerencia já que sou um bom apreciador. Mas, agora, voltando ao tema,: Quem vê a fotografia da fachada do restaurante, apanha um valente susto - pois parece tudo menos aquilo para que está destinado - mas, já lá dentro, aí," cesse tudo quando a musa canta" E, olhando para os piteus, palavra, que até abre o apetite. Conheço a Lousã e as suas paisagens maravilhosas. Esse restaurante é de fugir, pois seria a minha perdição. Quanto à Serra da Estrela, está bem preparada, agora, para o turismo de todo o ano. Porém, para a minha mulher, não é o sitio indicado, pois que quando está aqui ,em Portugal tem sempre frio!
      Parabéns pela escolha de um bom restaurante, tradicionalmente português e com um cardápio bem ao nosso sabor
      Um abraço
      Hélder Gonçalvers

      Eliminar
    3. Muito obrigado pela sua visita Hélder.

      Realmente... quem vê o restaurante por fora não dá nada por ele, parece mais um palheiro. Mas lá dentro... é um belo "repasto". ;)

      A Serra da Estrela só fica bem quentinha em Agosto, mas de facto... quando falo em temperaturas amenas não se comparam com as do Brasil certamente.

      Seja sempre bem-vindo e um grande abraço!

      Pedro

      Eliminar